re.verb

cultura, crítica e tudo o mais

Circunstâncias

em julho 4, 2011

Circunstâncias, por definição, são situações externas, impostas de fora. Circunstâncias podem unir e separar pessoas; ajudar ou atrapalhar; mas, sejam quais forem, elas mudam.

E justamente quando novos e melhores ares chegam, é possível fazer com o que a essência de cada um – outrora abafada por determinada situação – aflore.

É essa a tônica de “Potiche: Esposa Troféu” (“Potiche“, de François Ozon). Ali, a eternamente bela Catherine Deneuve é Suzanne Pujol, uma beldade que se casou com o mau-humor encarnado, Robert (Fabrice Luchini), e se deixou transformar em uma “potiche”, uma mera peça de decoração (ou, como se preferiu traduzir, uma “esposa troféu”), feita para ficar em casa – sempre com a aparência impecável – cuidando da família, sem emitir quaisquer opiniões.

Suzanne herdou do pai uma fábrica de guarda-chuvas, mas, seguindo a lógica, o bastão foi automaticamente passado para seu marido. Este, um patrão autoritário e gestor intransigente, conduz o negócio aos trancos e barrancos até que, com o deflagrar de uma greve, circunstancialmente é obrigado a se afastar.

Diante da falta de interesse e compostura dos filhos, quem assume o posto é Madame Pujol.

Surpreendentemente (?), esta não apenas acalma os ânimos dos trabalhadores, como oferece novas perspectivas à empresa. Mais importante, Suzanne reconhece e deixa surgir uma faceta, a de mulher com liderança e inteligência, a que até então não havia podido dar vazão.

Nesse sentido, deixa também reaparecer suas paixões, incluindo um amor do passado, o comunista Babou (Gerard Depardieu) e, pela primeira vez em muito tempo, permite-se a tomar as rédeas de seus sentimentos – e de sua vida.

Tal enredo, contudo, não é de forma alguma retratado de maneira melodramática, ou excessivamente crítica; muito pelo contrário. É uma comédia de costumes light – que por vezes chega a ser demasiadamente caricata – e que, principalmente pelas atuações de Deneuve e Depardieu, entretém.

(“Potiche: Esposa Troféu“,Potiche”, de François Ozon, 2010)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: