re.verb

cultura, crítica e tudo o mais

Amor tóxico

em maio 8, 2012

É impressionante como o conteúdo de uma só palavra pode compreender tantos significados, por vezes tão distantes entre si. Especialmente em se tratando de uma palavra tão corriqueira, mas essencial, como “amor”, o sentido que cada indivíduo atribui a ela – e, conseqüentemente, a própria concepção individual do que seja amor – pode variar absurdamente, transitando por um espectro infinito.

Para alguns, amor é a simples troca, entre indivíduos, daquilo que têm de melhor; é fazer o bem e recebê-lo de volta. Para outros, amor e paixão são sinônimos e, portanto, inexistiria amor desprovido de loucura; em seu conteúdo, o amor carregaria insanidade, torpor e prazer extremos.

Seja qual conceito melhor lhe aprouver, “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios”, o filme de Beto Brant e Renato Ciasca, baseado no livro homônimo de Marçal Aquino, fala do último. (Sem prejuízo, ressalta-se que também o livro se apóia na faceta mais tóxica do “amor-paixão” , como já falamos aqui.)

O enredo, em resumo, diz respeito à paixão desenfreada do fotógrafo forasteiro Caiuby (Gustavo Machado) por Lavínia (Camila Pitanga) – casada com o pastor da cidade (Pastor Ernani, interpretado por Zécarlos Machado) – no coração do Pará, em um ambiente corrompido e corroído pela extração ilegal dos recursos naturais locais.

A locação, em si, importa na medida em que a decadência (inclusive moral) da cidade é incorporada por seus moradores e, ali, em uma terra de ninguém, os valores que motivam o agir são, antes de tudo, primitivos, instintivos e instantâneos.

Por tal razão, o amor é quase maniqueísta; mostra-se em facetas: a sensorial – da carne, do sexo (como ocorre entre Lavínia e Caiuby, no início) – ou a de adoração, de devoção religiosa (entre Lavínia e o Pastor Ernani e, ao final, entre Caiuby e ela). O amor ali retratado, porém, nunca é completo – e, assim, torna-se um tanto oco, ralo.

O clima quente, úmido, pegajoso e sombrio parece penetrar também na mente das personagens, tornando a razão dormente – à exceção do jornalista fofoqueiro Viktor Laurence (Gero Camilo), ali ninguém age racionalmente. O pensamento é sempre limitado, abafado pelos impulsos.

Neste sentido, há horas em que o filme apresenta um ritmo errático, fragmentado, como se o formato acompanhasse a mente delirante das personagens. Por tal razão, principalmente para quem não está familiarizado com a história, conforme retratada no livro, é fácil se perder ao longo da sessão.

Trata-se, em última análise, de uma obra forte, que retrata intensamente (seja na atuação de seus protagonistas, como na fotografia) excessos humanos. Ali, não há histórias ou relações assépticas, e nenhum homem é santo – ora, não é assim aqui também?

(“Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios”, de Beto Brant e Renato Ciasca, Brasil, 2011)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: