re.verb

cultura, crítica e tudo o mais

Menos é mais

Seria possível categorizar as atrações do Planeta Terra de várias formas: clássicos e novatos, música “de macho” e música “de mina” (ou de gay, se preferirem), show “com cara de balada” e show “com cara de show” e etc…mas, para não correr o risco de gerar muita controvérsia, uma classificação óbvia – mas segura – é: bandas brasileiras e bandas estrangeiras.

As primeiras apresentaram-se antes, tendo sido o Holger, às 18h30, o escolhido para fechar o line-up verde e amarelo (no meio da sua apresentação, começou Of Montreal, no palco principal).

Mombojó (já comentamos aqui) e República abriram o festival, às 16h. Logo depois, foi a vez de Novos Paulistas e Hurtmold. Vamos a algumas considerações sobre eles:

 

Novos Paulistas – 17h30, Sonora Main Stage


O coletivo formado por alguns dos nomes mais hypados da atual cena musical independente de São Paulo (Tulipa Ruiz, Tatá Aeroplano, Tiê, Thiago Pethit e Dudu Tsuda) subiu ao palco principal com ares de big band.

Cada um dos integrantes, muito à vontade no palco, fazendo gracinhas e comentários diversos, cantaram composições próprias; individualmente e em conjunto.

Considerando que todos esses artistas têm boas composições de sua autoria, estilos não conflitantes e público em comum (que vem lotando o Studio SP em seus shows), a idéia de juntar todos em um só palco soa uma escolha segura, que dificilmente daria errado… Mas deu.

Os principais problemas foram aspectos já comentados acima: primeiro, o excesso de descontração descambou para uma incômoda sensação de estrelismo, um clima de “já ganhou”. Pareciam estar tão confiantes, que se esqueceram de mostrar a que vieram. Pareciam artistas consagradíssimos, daqueles que já fizeram a fama e, portanto, já podem deitar na cama sem preocupação. Não é bem assim…

Segundo, é sempre bom colocar os pingos nos “is”: sim, todos têm qualidade e um grande potencial. Sim, bastante barulho tem sido feito ao seu redor (aqui mesmo já se falou deles algumas vezes). E, sim, eles podem se tornar – individualmente ou em conjunto – artistas consagrados, de qualidade inquestionável. Mas, não, Novos Paulistas ainda não é Novos Baianos. E ponto final.

 

Hurtmold – 17h Gillette Hands Up Indie Stage


Diferente da turma acima, o que falta ao Hurtmold em termos de nome e divulgação, sobra em qualidade.

Goste-se ou não do rock instrumental da banda, é difícil dizer que seu som não tenha qualidade, mais ainda que seus integrantes não tenham se entregado por completo durante a apresentação.

Com muita percussão misturada com trompete, guitarras e vibrafone, trata-se de um rock experimental, mas não excessivamente difícil. É um som complexo, mas delicioso de se ouvir.

Eles sim fizeram jus ao espaço que ocupavam.

Deixe um comentário »

é chegada a hora

“O dia mais esperado do ano”, “as bandas que eu mais gosto no mundo em um só dia”, “final destruction”…essas foram algumas frases que ouvi acerca do Planeta Terra, o mais importante festival de música independente (ou seria indie? Ou rock alternativo? Ou pop-rock-indie-eletronico? Ou n.d.a…?) do País, que vai acontecer – finalmente! – amanhã, dia 20/11.

Exageros à parte, para muitos (nós três do re.verb inclusive) o espírito é esse mesmo; é aquela sensação de que assistir a muitas dessas bandas significa colocar vários “check” ao lado da lista de coisas para se fazer antes de morrer. O line-up é o seguinte:

Sonora Main Stage

Gillette Hands Up \o/ Indie Stage


16:00 / 17:00 – Mombojó 

17:30 / 18:30 – Novos paulistas

19:00 / 20:00 – Of Montreal

20:30 / 21:30 – Mika

22:00 / 23:00 – Phoenix

23:30 / 01:00 – Pavement

01:30/03:00 – Smashing Pumpkins

16:00 / 16:40 – República 

17:00 / 18:00 – Hurtmold

18:30 / 19:30 – Holger

20:00 / 21:00 – Yeasayer

21:30 / 22:30 – Passion Pit

23:00 / 00:00 – Hot Chip

00:40 / 01:40 – Empire of the Sun

02:00 / 03:30 – Girl Talk 3rd band

 

Ou seja, serão quase 12h de música boa, começando com queridíssimos nomes brasileiros (como Mombojó, Holger e Novos Paulistas – i.e. Tiê, Thiago Pethit, Dudu Tsuda, Tatá Aeroplano e Tulipa Ruiz) e terminando com o melhor da old school do rock alternativo: Pavement e Smashing Pumpkins.

O penúltimo inclusive é personagem principal de um dos mais comentados embates do festival: Pavement v. Hot Chip. O outro é Phoenix v. Passion Pit. Sabe a famosa escolha de Sofia? Então.

Maaaas, como para quase tudo nesta vida se dá um jeito, nossos parceiros do Valetando na Cena (aliás, ali há vários posts ótimos sobre o Planeta Terra: http://valetandonacena.wordpress.com ) já adiantaram os prováveis setlists dessas bandas…só não tenho certeza se saber que, em tese, não será possível assistir a “Little SecreteArmistice/Fences”… aumenta ou diminui a aflição.

Enfim, faltam pouco mais de 24h…e o Planeta Terra vai ficar pequeno para tanta música boa.

Nos vemos lá!

Deixe um comentário »