re.verb

cultura, crítica e tudo o mais

SWU – UHUUU!

Faz uma semana que o primeiro festival de música Starts With You, em Itu, terminou e, mesmo que ainda não tenham sido lavadas todas as roupas que trouxemos empoeiradas em nossas malas, já se fala no SWU 2011.

Isso porque, considerado o porte do evento, os percalços – que existiram – foram poucos: as intermináveis filas (para sair e entrar do estacionamento, para a triagem do camping, para o banho, para pegar cerveja e churrasquinho Mimi…); o frio inesperado; o acúmulo de lixo – ainda que se tratasse de um evento que pregava a sustentabilidade – e etc, a sensação final foi de sucesso.

O som, no geral, apresentou potência suficiente para se fazer ouvir em todos os palcos da arena e, surpreendentemente, as interferências sonoras entre as múltiplas atrações foram a exceção, não a regra. Os palcos principais foram instalados em um terreno em declive, de modo que era possível enxergar – ao menos os telões – mesmo a uma grande distância. Ali, atrações nacionais e internacionais intercalaram-se de maneira eficiente, sem grandes atrasos, e o público – em média 50 mil pessoas por dia – presenciou grandes shows.

Muito se falou sobre as atrações naqueles palcos, sobre o bate-cabeça no show do Rage Against the Machine; a volta dos que não foram (Los Hermanos e Mutantes); a boa surpresa que foi o show de Joss Stone; o rock mais pesado do que se esperava do Kings of Leon; a pancada sonora do Queens Of the Stone Age e o fechamento com chave de ouro dos tão esperados tiozões do Pixies.

Mas pouco se falou sobre aquele que consideramos o melhor lugar da festa: o Palco Oi Novo Som. O line-up foi o seguinte:

E foi assim, sem muito alarde na grande mídia, que o palco independente proporcionou à platéia shows memoráveis, como:

Cidadão Instigado: Fernando Catatau já não é novidade na música brasileira. Onipresente parceiro de grandes artistas (como Arnaldo Antunes, Karina Buhr e Otto) encabeça a banda que é referência obrigatória da boa música nacional contemporânea. Com letras que a princípio causam estranheza, o Cidadão Instigado, como sempre, trouxe melodias complexas e enebriantes e fez um grande show.

Sobrado 112: Cariocas bons de ginga, cujo som denominam “Skapolca”. Sim, ali há o ritmo jamaicano e aquela batida binária da polca, mas há também samba-rock, reggae, ritmos caribenhos e o que mais tiver ao alcance para fazer a galera dançar. Assim o fizeram também no SWU – para delírio das meninas de plantão.

Tulipa Ruiz: com seu “vozeirão doce”, Tulipa deu uma pincelada colorida no final de tarde frio em Itu. Suas canções repletas de lirismo e sutileza couberam bem no espaço mais intimista daquele palco. Casais abraçados se embalaram ao som de canções como Só sei dançar com você e fizeram uma pausa em meio a shows bem mais barulhentos que estavam por vir.

Bomba Estéreo: Um dos melhores shows do SWU. A banda colombiana botou a tenda abaixo ao misturar ritmos colombianos, sintetizadores hipnotizantes e guitarras distorcidas. A vocalista, a endiabrada Li Saumet, surgiu com um casaco pink brilhante e fez todos se sentirem em um baile funk classudo, mas sacana (com refrões do tipo “se no me muerdes, yo te muerdo”…).

Otto: Showzaço. A tenda estava lotada para ver o pernambucano endiabrado e ninguém se decepcionou. O frio estava cortante, mas Otto botou fogo com seus novos e antigos sucessos, tirou a camisa e carregou todos para o transe em que se encontrava.

No último – e melhor – dia daquele palco, infelizmente eu não estava…mas nomes de peso pesadíssimo como Cansei de Ser Sexy, Josh Rouse e Mombojó marcaram presença. Quem também não arredou o pé foi nosso  ilustre Gabriel Mundim, quem, logo mais, vai contar o que de melhor passou por lá…

Anúncios
Deixe um comentário »